Editorial


Em seu artigo “Valores Centrais: Enquadrar e Resolver Questões Éticas na Força Aérea”, o Coronel Charles R. Myers valida, em termos acadêmicos, a eficácia dos valores centrais escolhidos pela Força Aérea dos EUA. Nele, o autor indaga se eles são, ou não, apropriados e suficientes. O Cel Myers examina habilidosamente os registros filosóficos e chega à conclusão de que, em retrospecto, os valores centrais da USAF são não só apropriados, mas necessários.

Um dos assuntos mais em voga na atualidade, as relações civis-militares são discutidas a partir de um ponto de vista vindo do futuro em “Reunião Melancólica: Um Relatório Vindo do Futuro a Respeito do Colapso das Relações Civis-Militares nos Estados Unidos”, de autoria do Coronel Charles J. Dunlap, Jr. O autor redigiu um artigo que sugere alguns desfechos de um futuro, ainda que fictício, cenário civil-militar e que irá atrair a atenção dos chefes mais graduados.

Em “Programa de Leitura do CSAF [ChEM, Fae/EUA]”, o General Ronald R. Fogleman, Chefe do Estado-Maior da USAF, tece comentários introdutórios sobre a lista de leitura profissional destinada a expressar suas idéias sobre o que o oficial profissional deve ler. Nele, o Gen Fogleman delineia as diversas maneiras que ele deseja que os oficiais sejam mais atuantes na carreira das armas. A lista de livros, a ser por ele apresentada nos próximos números da APJ, propiciará aos oficiais um ponto de partida em seus empreendimentos.

Dois dos mais dinâmicos teóricos militares dos EUA, o Coronel Richard Szafranski, que recentemente passou para a reserva e hoje integra a Toffler Associates, e Martin C. Libicki, da National Defense University, sugerem, em seu artigo “...Ou Cair em Chamas?”: Por Um Manifesto do Poder Aéreo para o Século 21", que a Força Aérea precisa mudar a orientação de sua missão principal, de uma força atmosférica para um tratamento infosférico. Ultrapassar os paradigmas de identidade institucional parece ser o maior desafio que se põe diante da Força Aérea dos EUA.

Já o Tenente-Coronel James W. Spencer, editor-chefe da edição em inglês da Airpower Journal e chefe da Divisão de Periódicos Profissionais, discute, sucinta mas eloqüentemente, as mudanças que acabam de ocorrer no estado do diálogo profissional em seu artigo “Mudanças no Diálogo Profissional: Status de Nau Capitânea... E Daí? Nele, o Cel Spencer afirma que “o diálogo nas revistas e periódicos sempre desempenhou um papel fundamental em estimular idias de relevância”, acrescentando que ainda há mudanças por vir.

Por sua vez, o Tenente-Coronel Chris Krisinger analisa a transferência dos C-130, em 1993, do Comando de Mobilidade Aérea para o Comando de Combate Aéreo, examinando minuciosamente as implicações desta transferência para a capacidade de pronta resposta das forças de transporte aéreo. E propugna pelo retorno ao sistema de transporte aéreo consolidado de gestão única que tanto contribuiu para gerar uma sinergia entre todas as forças de transporte aéreo e criar um sistema de transporte aéreo sem divisões.

Num dos melhores artigos históricos já publicados na Airpower Journal, o Dr. Joel S. A. Hayward faz uso de um apreciável número de fontes primárias para ajudá-lo a examinar a decisão fatal tomada por Hitler, na Segunda Guerra Mundial, de empregar o transporte aéreo para suprir o seu VI Exército sitiado em Estalingrado. É um artigo bem-documentado e de leitura obrigatória para qualquer estudioso da dinâmica da liderança.

Esperamos que os nossos leitores desfrutem os artigos que constam deste número. Boa leitura!


As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Departamento de Defesa, da Força Aérea, da Universidade do Ar ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo norte-americano.


[ Home Page da Air & Space Power International em português  |  Emita sua opinião via Email a mailto:aspjportuguese@maxwell.af.mil]